Não sou acompanhado no Centro de Saúde, como devo proceder para ser vacinado contra a COVID-19? Até ao momento foram reportadas reações adversas graves à vacina? Há vacinas mais eficazes que outras? Que principais atualizações foram feitas ao Plano de Vacinação? Consulte algumas das perguntas mais frequentes sobre a vacina contra a COVID-19 após o primeiro mês de vacinação!

 

NÃO SOU ACOMPANHADO NO CENTRO DE SAÚDE. COMO DEVO PROCEDER PARA TOMAR A VACINA CONTRA A COVID-19?

Os utentes não seguidos no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e os profissionais de saúde “em prática isolada e que não estejam inscritos numa ordem profissional” devem inscrever-se num formulário próprio. Consulte aqui o formulário. As pessoas que não são seguidas no SNS terão de ter uma declaração médica eletrónica que funcionará como uma receita médica. O utente será posteriormente contactado por SMS com uma proposta de data e de local para vacinação.

 

ATÉ AO MOMENTO FORAM REPORTADAS REAÇÕES ADVERSAS GRAVES À VACINA?

A ´taskforce´ para  o plano de vacinação fez um balanço sobre o primeiro mês de vacinação: “não houve até hoje nenhuma notificação de reações que não estivesse prevista. Foram notificados 1.332 casos de reações adversas, ou seja, 0,65 reações adversas por 100 vacinados. Os resultados “estão em linha com os dados provisórios que são conhecidos do resto da Europa”.

 

APÓS O PRIMEIRO MÊS, QUE PRINCIPAIS ALTERAÇÕES FORAM EFETUADAS AO PLANO DE VACINAÇÃO?

As pessoas a partir dos 80 anos, mesmo sem doenças, entraram para a primeira fase de vacinação. Os titulares de órgãos de soberania e de cargos essenciais vão também ser vacinados nesta primeira fase e serão indicados pelas próprias entidades.

 

QUE VACINAS ESTÃO ATUALMENTE A SER ADMINISTRADAS?

De momento, estão a ser administradas em Portugal e na UE as vacinas da Pfizer-BioNtech, que está a ser utilizada desde final de dezembro de 2020, e a vacina da Moderna, desde meados de janeiro de 2021. Mais recentemente já foi também aprovada a vacina da farmacêutica AstraZeneca, aguardando-se a chegada das primeiras doses. Para estas vacinas, a percurso vacinal é completado ao fim de duas doses, intercaladas por 3 ou 4 semanas.

 

HÁ VACINAS MAIS EFICAZES E SEGURAS QUE OUTRAS?

Qualquer vacina autorizada pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA) terá de demonstrar qualidade, segurança e eficácia. As principais diferenças entre as vacinas são a forma como induzem o corpo a adquirir imunidade. Como funcionam as três vacinas já aprovadas?

As vacinas da Pfizer e da Moderna são tipos de vacina por RNA mensageiro. Estes fármacos são uma novidade: fornecem ao organismo uma espécie de código genético para que as células possam produzir proteínas virais e levar o corpo a responder com vírus de anticorpos. Desta forma, a pessoa vacinada está a desenvolver imunidade contra o verdadeiro vírus.

A vacina da AstraZeneca, por sua vez, pertence à família de fármacos que utilizam um adenovírus alterado. É uma técnica mais tradicional - um vírus atenuado que causa constipações em chimpanzés foi modificado geneticamente para induzir produção da proteína da espicula do SARS-CoV-2. Esta tecnologia já foi utilizada em outras vacinas que fazem parte do Plano Nacional de Vacinas há vários anos, com eficácia e segurança comprovada.

 

DEPOIS DE VACINADO JÁ NÃO CORRO O RISCO DE SER INFETADO?

Mesmo estando vacinado é possível contrair o vírus. A diferença pode estar nos sintomas que vai ter ou na forma como evolui a doença. Existem dois cenários: ao ser infetado não desenvolve sintomas, ou seja, não desenvolve a doença. Ou caso desenvolva, os sintomas serão mais ligeiros do que seriam caso não tivesse tomado a vacina. Um vacinado só se deve considerar protegido da doença sete dias depois da toma da segunda dose da vacina - este é o período que dá garantia de uma resposta robusta por parte do seu sistema imunitário.

 

JÁ ESTIVE INFETADO. CONTINUO A PRECISAR DE TOMAR A VACINA?

Sim, mas não nesta fase. Num cenário em que o número de vacinas é limitado e é urgente dar prioridade a pessoas em maior situação de risco ou vulnerabilidade, entende-se que indivíduos com infeção comprovada por SARS-CoV-2 não devem ser incluídos na primeira fase de vacinação.

 

PORTUGAL TERÁ DOSES DE VACINAS SUFICIENTES PARA TODA A POPULAÇÃO?

Sim. O Ministério da Saúde garantiu que Portugal terá todas as vacinas necessárias para cumprir o plano de vacinação estabelecido, tendo já assegurado mais de 31 milhões de doses de vacinas, suficientes para vacinar mais de 18 milhões de pessoas.

 

QUANTAS VACINAS JÁ FORAM ADMINISTRADAS E QUEM SERÁ VACINADO A SEGUIR?

Até ao dia 5 de fevereiro de 2021 já tinham sido administradas 379.378 vacinas:

      • Toma da primeira dose da vacina concluída em todos os lares [salvo onde há surtos ativos].
      • 168 mil pessoas já vacinadas em lares e unidades de cuidados continuados [utentes e trabalhadores].

 De seguida serão vacinadas:

      • Pessoas com 50 ou mais anos de idade [com patologias].
      • Pessoas com 80 ou mais anos de idade.
      • Trabalhadores de funções essenciais, Forças Armadas, Forças e Serviços de Segurança e Bombeiros.
      • Titulares de orgãos de soberania e altos cargos com funções no quadro do Estado de Emergência.

 

COMO ME POSSO INSCREVER PARA A VACINAÇÃO?

Deverá esperar para ser contactado pelo Serviço Nacional de Saúde.

 

COMO SEREI CONVOCADO PARA O AGENDAMENTO DA VACINAÇÃO?

Através de SMS, chamada telefónica ou carta. Na véspera do dia agendado é enviado um lembrete por SMS a todos os utentes a vacinar.

 

Reveja aqui o plano de vacinação e consulte outras perguntas frequentes

 

Fontes: DGS I EstamosOn