A vacinação em Portugal começou a 27 de dezembro. Os profissionais de saúde na linha da frente no combate à pandemia foram os primeiros a receber o fármaco, desenvolvido pela Pfizer/BioNTech. A vacina é gratuita, universal e facultativa e o plano de vacinação prevê três fases essenciais. Conheça o calendário previsto e saiba quando pode ser vacinado contra a COVID-19.

 

QUAIS AS TRÊS FASES ESSENCIAIS NA VACINAÇÃO CONTRA A COVID-19?

 

PRIMEIRA FASE

A primeira fase pode estender-se até abril. Serão vacinadas neste período 950 mil pessoas: profissionais de saúde diretamente envolvidos na prestação de cuidados a doentes; profissionais das forças armadas, forças de segurança e serviços críticos; profissionais e residentes em lares e instituições similares; profissionais e internados em unidades de cuidados continuados; pessoas com 50 ou mais anos e com um quadro clínico de patologias que incluem insuficiência cardíaca, doença coronária, insuficiência renal; doença respiratória crónica com suporte ventilatório e/ou oxigenoterapia de longa duração.

 

SEGUNDA FASE

Decorre imediatamente a seguir ao cumprimento do primeiro momento de vacinação e abrange pessoas com 65 ou mais anos [que não tenham sido vacinadas previamente], mesmo que não tenham qualquer problema clínico. Nesta fase, a vacina é também administrada em pessoas entre os 50 e os 64 anos com diagnóstico associado de patologias como diabetes, neoplasia maligna ativa, doença renal crónica, insuficiência hepática, obesidade e hipertensão arterial. A segunda fase chega a cerca de 2,7 milhões de pessoas e pode estender-se até julho.

 

TERCEIRA FASE

Esta última etapa inclui toda a restante população. Deverá começar a partir de julho de 2021 e poderá prolongar-se até ao primeiro trimestre de 2022. Caso o calendário de fornecimento de vacinas registe alterações, serão definidos um terceiro e quarto grupos prioritários.

Toda a operação de vacinação está dependente do ritmo de abastecimento das doses. Os cidadãos terão que dar o seu consentimento esclarecido, depois de serem informados sobre as precauções, as contra-indicações e a possibilidade de ocorrência de reações adversas, ainda que sejam raras ou muito raras. Até à data sublinhe-se que não há ainda dados suficientes para recomendar a vacinação de crianças e grávidas.

 

COMO FUNCIONA O PROCESSO DE ADMINISTRAÇÃO DA VACINA?

 

Os grupos prioritários devem ser identificados localmente com recurso às informações do Sistema Nacional de Saúde (SNS). Globalmente, a vacinação decorre nos estabelecimentos do SNS com profissionais devidamente preparados para as especificidades desta vacinação. As pessoas são identificadas localmente, conforme os dados clínicos registados no SNS, e de acordo com um calendário local são vacinadas nos centros de saúde.

Nos casos de internamento ou institucionalização, por exemplo de idosos, sinalizados para a primeira etapa, cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) organiza a vacinação naquelas entidades, incluindo o transporte das vacinas e dos profissionais.

Quem não esteja a ser acompanhado pelo SNS tem sempre possibilidade de solicitar a vacina mediante indicação médica em conformidade com o plano de prioridades para a sua administração. Ao contrário da vacina contra a Gripe, o plano de vacinação contra a COVID-19 não inclui as farmácias.

 

Portugal investiu cerca de 200 milhões de euros para a aquisição de mais de 22 milhões de doses. Foram celebrados acordos de aquisição prévia de potenciais vacinas com seis empresas farmacêuticas: BioNTech-Pfizer, AstraZeneca, Sanofi-GSK, Janssen Pharmaceutica NV [uma das empresas farmacêuticas Janssen da Johnson & Johnson], CureVac e Moderna.

A vacina da BioNTech-Pfizer, que dará inicio ao plano de vacinação, será administrada em duas doses, em momentos diferentes.

 

Conheça aqui todos os detalhes sobre o plano de vacinação